FlexMT para aumentar a eficiência e o rendimento das máquinas-ferramentas

imageA ABB está a apresentar em Chicago uma nova solução chave-na-mão para equipar máquinas-ferramentas com robôs orientados por visão artificial. O sistema FlexMT é uma das novidades da feira IMTS 2014 (International Manufacturing Technology Show) que decorre em Chicago até ao dia 13 de Setembro.

Segundo a ABB, os novos sistemas FlexMT permitem aumentar a eficiência e o grau de utilização das máquinas-ferramentas até aos 90%, encarregando-se da carga e descarga de tornos horizontais e verticais, centros de maquinação, máquinas de 5 eixos ou moinhos.
O sistema está disponível em duas variantes: FlexMT 20, para cargas até 20 kg e alcance de 1,65 m, e FlexMT60, para cargas até 60 kg e alcance até 2.05 m. Ambos são fornecidos com o respectivo controlador integrado no respectivo armário. Quanto a ferramentas, o FlexMT está equipado com garras de 2 ou 3 dedos e seis opções normalizadas para as funcionalidades específicas do utilizador: duas ferramentas de rebarbar, mesa de aperto, marcador de agulha, unidade rotativa, caixa de limpeza de ar e painéis de extensão para conectar o FlexMT com máquina-ferramenta e criar espaço entre máquinas.
imageO FlexMT permite aos utilizadores integrar a automação robótica de uma forma normalizada, rápida e fiável, obtendo rendimentos mais elevados e retornos do investimento mais rápidos. O sistema é igualmente indicado para grandes ou pequenas séries, bem como para empresas de grande dimensão ou PMEs. É uma solução pré-fabricada e pré-testada ideal para carga e descarga de máquinas-ferramentas com peças provenientes de transportadores a montante e a jusante. Suporta a maior parte das geometrias de peças, simples ou complexas, grandes ou pequenas ou com acessórios adicionais.
Os filmes seguintes mostram dois exemplos de aplicação do sistema FlexMT.

Anúncios

Novos robôs industriais

imageJá com a nova cor branca, os robôs industriais da família IRB 1200 são apontados como substitutos da mão-de-obra em linhas de montagem, para tarefas de alimentação e transferência entre máquinas, bem como para células de maquinação, polimento, etc.. São 15% mais compactos e 10% mais velozes, podem ser montados em qualquer posição e estão disponíveis em duas combinações de alcance e capacidade de carga: 700mm/7 kg e 900 mm/5 kg. Para além das superfícies lisas, os novos robôs têm protecção IP 40 de série e IP67 como opção. Em 2015, a ABB disponibilizará versões para instalações "clean room" e "food grade".
As ligações eléctricas e pneumáticas podem ser feitas por portas laterais ou por um ligação opcional sob o robô. Existe também uma porta Ethernet embebida no robô, tornando mais fácil a integração em ambientes de automação.


No passado, a cor laranja era o primeiro sinal de reconhecimento de um robô ABB. A escolha dessa cor remonta aos anos 70 do século passado e teve em vista objectivos de segurança, isto é, tornar o robô bem visível nas instalações industriais. Entretanto, os robôs tornaram-se mais seguros e capazes de coexistir em modo seguro com pessoas. Em 2014, a ABB decidiu mudar de cor: os novos robôs assumem, por defeito, a cor "branco grafite" e os clientes podem receber os robôs com a cor que preferirem.

As redes inteligentes do futuro

Um mundo cada vez mais urbanizado e sedento de energias renováveis exige redes mais eficientes e fiáveis, em que o transporte de energia se faça em concordância com os fluxos de informação. Estas redes eléctricas de amanhã estão a nascer hoje.

O nascimento e o auge das redes inteligentes (ou "smart grids") está muito relacionado com o processo de adaptação e modernização das redes energéticas actuais, seguindo critérios de optimização de recursos, eficiência, sustentabilidade, capacidade e fiabilidade. O seu desenvolvimento é indispensável para garantir uma maior presença das energias renováveis, devido às suas particularidades, e da utilização sustentável das mesmas.

A transição de uma rede eléctrica clássica para uma rede "inteligente" apoia-se em diversas tecnologias de vanguarda, em que as TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) funcionam como coluna vertebral. É a informação que proporciona "inteligência" à rede. Os sistemas avançados de automação e controlo complementam a referida tecnologia, que exige também uma consciencialização social e, portanto, a participação activa dos consumidores, e um quadro regulador adequado que incentive o seu funcionamento.

Actualmente, o desenvolvimento das redes inteligentes apoia-se em vectores estratégicos, tais como a integração das energias renováveis no "mix" energético geral, a gestão preditiva e preventiva dos activos, a mobilidade eléctrica, os meios de transporte sustentáveis, a automação das redes de distribuição e, por último mas não menos importante, a tendência crescente da gestão inteligente da procura e do consumo. LER O RESTO DO ARTIGO

Projecto Windfloat: eólica ao largo da Póvoa de Varzim

imageA Principle Power (Seattle, EUA), responsável pelo desenvolvimento do conceito da plataforma flutuante Windfloat e pela implementação do primeiro protótipo mundial de aerogeradores offshore em Portugal, adjudicou à ABB o fornecimento e instalação de equipamento para a alimentação eléctrica e controlo da plataforma, nomeadamente o transformador e os quadros de média e baixa tensão.

Concebida para instalações offshore em águas de profundidade superior a 40 metros, a plataforma Windfloat localiza-se ao largo da Póvoa de Varzim e está ancorada ao fundo marinho através de quatro linhas de amarração. É constituída por três colunas que garantem a flutuabilidade necessária para suportar a primeira turbina eólica offshore instalada em Portugal, inaugurada no passado mês de Junho, numa cerimónia que contou com a presença do Presidente da República, da Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, e do Presidente do Concelho de Administração da EDP.

O equipamento projectado e desenvolvido pelas equipas de engenharia da ABB contribuiu para a continuidade do serviço que a plataforma tem vindo a prestar, desde Outubro de 2011. Espera-se que a experiência agora adquirida permita a participação no próximo projecto do mesmo género a implementar em Portugal – um parque eólico offshore, com uma potência instalada de aproximadamente 25MA.

No filme seguinte pode ver-se a construção de uma das plataformas nos estaleiros da Lisnave.

Transformadores de 60 kV para a EDP

imageA ABB vai fornecer à EDP, ao longo  de 2012,  8 dos 9 transformadores de potência destinados a melhorar a fiabilidade e eficiência da sua rede de 60 kV. A encomenda à ABB inclui cinco transformadores de 60/10,5kV, 40MVA, que reforçarão a rede de 60kV de várias subestações na cidade de Lisboa, e três novas unidades 60/15,75kV, 31,5MVA, para a rede de Braga e Tunes, iguais às adquiridas em 2010. Os transformadores são fabricados em Monselice (Itália) e todos os serviços de montagem e suporte pós-venda são assegurados pela ABB Portugal.

Formação ABB em Variadores de Velocidade

A ABB tornou público o calendário de cursos de formação em variadores de velocidade para o primeiro semestre de 2011. O programa está repartido por tipos de accionamentos e níveis de formação e destina-se a electricistas, técnicos e engenheiros. Para mais informação sobre conteúdos e datas dos cursos, clicar aqui.

RS Online distribui ABB

A plataforma de distribuição on line da RS passou a incluir a extensa gama de produtos ABB, designadamente nas áreas de bornes para calha DIN, disjuntores e interruptores, dispositivos de protecção e controlo de motores e instalações eléctricas, condicionamento de sinal gama de dispositivos de protecção e controlo e ainda motores de indução AC trifásicos. Para mais informação, clicar aqui ou na imagem seguinte.

image

%d bloggers like this: