Schneider Electric Portugal tem novo country manager

João Rodrigues copyJoão Rodrigues é o novo Country Manager da Schneider Electric Portugal, sucedendo a David Claudino. Com formação em Automação e Eletrónica Industrial, João Rodrigues teve várias responsabilidades na Schneider Electric ao longo de 16 anos, incluindo a direção da Agência Comercial de Lisboa, o desenvolvimento das ofertas nas áreas das energias renováveis e gestão técnica de edifícios. Foi também Vice-Presidente do Energy Business e do IT Business da Schneider Electric Portugal.

Anúncios

Indústria clama por… uma clara política industrial europeia

Mais de 90 associações industriais subscreveram uma declaração conjunta instando as instituições europeias a promover a indústria e a criação de emprego. O texto é o seguinte:

"A Europa é o berço da indústria transformadora e esteve na primeira linha das revoluções industriais e das inovações tecnológicas. A indústria emprega diretamente mais de 34 milhões de pessoas em todos os Estados Membros, em cadeias de fornecimento que incluem centenas de milhares de PMEs e grandes fornecedores. É também responsável por milhões de empregos adicionais nos setores com ela relacionados.
A indústria transformadora europeia tem uma enorme capacidade de investigação e inovação, criou uma força de trabalho preparada e ganhou uma reputação global de qualidade e sustentabilidade. Do que necessita agora é de um apoio rápido e determinado das instituições europeias e dos Estados Membros para criar mais empregos e crescimento na Europa.
Chegou o tempo de fazer soar o alarme sobre os desafios consideráveis todos enfrentamos. Entre 2000 e 2014, a quota da indústria transformadora no produto total da UE caiu de 18,8% para 15,3%, enquanto 3,5 milhões de empregos industriais se perderam entre 2008 e 2014. Ao mesmo tempo, países de outras regiões do mundo estão a colocar a indústria no topo das suas agendas políticas. A estratégia "Make in India" visa fazer crer que a Índia é "o próximo destino de fabricação" e a estratégia "Made in China 2025" visa transformar a China na "potência industrial líder". A recente mudança do EUA para a política "America First" terá inevitavelmente um forte impacto na sua política industrial.
No início do seu mandato, o presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker identificou a reindustrialização da Europa como uma das suas prioridades de topo e confirmou o objetivo de aumentar a quota da indústria no PIB Europeu para 20% até 2020. À medida que nos aproximamos da preparação do próximo Quadro Financeiro Plurianual, é vital que a Comissão Europeia atue e ajude a UE a continuar a ser uma potência industrial competitiva num mercado global mais justo.
Por tudo isto, nós, a indústria transformadora europeia, representando um leque alargado de setores, apelamos à Comissão Europeia para que:

– reafirme o seu compromisso de atingir a meta de 20% do PIB para a indústria, com um programa ambicioso e realista;

– Adote um Plano de Ação que ataque os desafios que os setores industriais enfrentam, no quadro de uma Comunicação que deverá incluir passos e marcos concretos, e

– Se comprometa a implementar este Plano de Ação de modo adequado e a reportar regularmente os progressos.

Os Estados Membros e o Parlamento Europeu declararam claramente o seu total apoio a uma estratégia industrial europeia através das Conclusões do Conselho Europeu favoráveis ao reforço e modernização da base industrial da UE (15 de dezembro de 2016) e a Resolução do Parlamento sobre a necessidade de uma política europeia de reindustrialização (5 de outubro de 2016).

Nós, as associações signatárias desta Declaração Conjunta, estamos prontas para iniciar a cooperação com a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho da Competitividade para definir e implementar esta estratégia industrial ambiciosa e coordenada que irá ajudar a salvaguardar a liderança mundial dos fabricantes europeus e os empregos na Europa."

Para ver o texto oficial e as associações signatárias, clicar AQUI.

image_thumb[2]

EMAF cresce 35%

A EMAF Feira Internacional de Máquinas, Equipamentos e Serviços para a Indústria, tem 412 empresas inscritas para a sua 16ª edição. A Exponor espera ter um dos melhores certames dos últimos anos. O crescimento em relação à edição de 2014 (a feira é bienal) é na ordem dos 35% prevendo-se também um aumento significativo do número e qualidade dos visitantes.

Nesta EMAF, que se realiza na Exponor, de 23 a 26 de novembro, os players da indústria portuguesa podem encontrar soluções e novidades que dão resposta às suas necessidades de modernização e ganhos de eficiência. A feira torna-se também mais interessante para as empresas exportadoras, com a visita de empresários oriundos de países como Espanha, França, Irlanda, Alemanha, Suíça, Itália, República Checa, Hungria, Turquia, Angola, África do Sul, Estados Unidos da América e Brasil.image

Em 2016 , Emaf e Fimap irão ocupar os 6 pavilhões e galerias da Exponor, numa área Bruta de 35.000 m2 e prevemos que irão passar cerca de 40.000 visitantes

Uma vez mais, a EMAF realiza-se simultaneamente com a 19ª FIMAP – Feira Internacional de Máquinas, Acessórios e Serviços para a Indústria da Madeira, numa fórmula que os anos têm vindo a coroar de sucesso. A realização contígua destes dois eventos especializados permite apresentar soluções para toda a cadeia de valor industrial.

Destaque, também, para a realização de vários seminários técnicos e fóruns de debate, onde as «Jornadas de Manutenção Industrial» são um palco privilegiado para a divulgação e troca de conhecimentos entre profissionais da manutenção e académicos. «Evolução do Outsourcing», «Segurança em Manutenção», «Eficiência Energética» ou «Gestão de Ativos» são alguns dos outros temas em debate.

.

Uma revista com Visão

imageO projecto InspectWare, que envolveu o desenvolvimento de um protótipo industrial robotizado e de um algoritmo de inspecção por visão artificial para aplicação no sector da louça utilitária, é o grande destaque da edição n.º 189 da revista reviproject. O projecto envolveu a ENERMETER, especialista em sistemas e soluções de visão artificial, a Costa Verde, produtora de louça doméstica e o CTCV – Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro.
Esta edição digital, que já foi distribuída aos assinantes, destaca ainda a certificação da tecnologia de accionamentos da SEW-EURODRIVE para áreas limpas (clean room), a nova gama de controladores da OMRON para automação de máquinas, e ainda muitas outras novidades técnicas em matéria de visão artificial, detecção e medida, software, relés de segurança, acessórios para redes de ar comprimido, tecnologias de fabricação aditiva e ainda materiais de protecção contra a corrosão.
A reviproject é habitualmente distribuída em ficheiro pdf (edições digitais) ou em versão impressa aos Assinantes. Excepcionalmente, pode "espreitar" esta edição já hoje, clicando na imagem da capa.

Uma edição cheia de novidades!

Está em distribuição a REVIPROJECT 188, cheia de novidades técnicas. Nas notícias de abertura, o destaque vai para o conjunto das feiras GIFA, METEC, THERMPROCESS e NEWCAST, que se realizam em Dusseldorf (Alemanha), formando o The Bright World of Metals, a maior plataforma de negócios a nível mundial para o sector da metalurgia e metalomecânica. 5 empresas portuguesas marcam presença neste grande evento.image

No capítulo da AUTOMAÇÃO, entre outras novidades, a REVIPROJECT destaca as novidades apresentadas pela SIEMENS na Feira de Hanover, que representam avanços nas tendências de digitalização e Indústria 4.0.

Nas páginas dedicadas a ACCIONAMENTOS, a REVIPROJECT destaca os desenvolvimentos recentes das marcas SEW-EURODRIVE,SIEMENS, NORD, INVERTEK, WEG e EMERSON.

Os novos robôs leves e “de mesa” são o destaque da secção de ROBÓTICA. As routers sem fios, as interfaces Ethernet e os conversores de protocolos preenchem a secção LIGAÇÃO. Por seu turno, as páginas dedicadas à DETECÇÃO E MEDIDA trazem informação sobre contadores de partículas, contadores de água por ultrassons e sobre sensores LED. Os novos sensores laser com conectividade Ethernet são uma das recentes novidades da OMRON.

Na secção SOFTWARE, esta edição destaca o EPLAN 2.5 e a nova ferramenta de gestão de energia da SISTRADE.

A REVIPROJECT 188 inclui ainda páginas sobre VISÃO (novidades INFAIMON), SEGURANÇA (sensores OMRON), MÁQUINAS e MATERIAIS.

Esta edição foi disponibilizada em três formatos: edição impressa, edição digital em pdf (com hiperligações activas para páginas, documentos e vídeos) e ainda uma edição consultável on line. Desta vez, antecipamos o acesso a esta edição. Basta CLICAR PARA VER! Aproveite esta oportunidade, habitualmente só disponível para assinantes

Mudanças no mercado da automação

A descida do preço do petróleo explica a redução de 8% dos investimentos no sector do petróleo e gás no mercado global dos equipamentos de automação. As maiores empresas do sector anunciaram decisões de redução dos investimentos, entre 10% e 40%. Apesar disso, os investimentos de outros sectores industriais permitem que o mercado global dos equipamentos de automação continue a crescer, embora a uma taxa menor, que se prevê na ordem dos 4,5%.

image
Segundo o mais recente relatório da consultora IHS Technology, os EUA, a UE, o Japão e a Índia continuarão a registar aumentos das vendas de equipamentos de automação em 2015. A redução dos investimentos do sector do petróleo e gás deverá ser compensada por outros sectores, como a indústria automóvel, alimentação e bebidas, embalagem, intralogística e robótica. A desaceleração do crescimento chinês e as recessões no Brasil e na Rússia deverão limitar o crescimento global. 
A redução dos investimentos do sector do petróleo e gás, que representa cerca de 7% do mercado dos equipamentos de automação, irá afectar sobretudo os motores, controlos de motor, controladores de processo e sistemas hidráulicos.

Ethernet em alta

imageO mercado global dos componentes Ethernet cresceu 7,1% entre 2013 e 2014, atingindo o valor de 1,48 milhões de USD, segundo estimativas da IHS. O crescimento ficou acima da média dos componentes de automação industrial e reflectiu as flutuações do investimento e a influência dos projectos individuais. Para o período entre 2013 e 2018, a IHS estima um crescimento na ordem dos 8,6% ao ano, incluindo gateways, switches, routers, pontos de acesso wireless e conectores.
O mercado das gateways deverá crescer abaixo da média geral, devido à introdução de novos dispositivos com conectividade Ethernet. As routers industriais deverão ser substituídas por comutadores com capacidade de encaminhamento (layer-3 switches). A Ásia continuará a registar taxas de crescimento acima das da Europa e dos EUA, embora a distância tenda a encurtar.
Segundo a IHS, poderá ainda assistir-se à substituição dos comutadores não geridos por novos switches layer-2 de baixo custo.

%d bloggers like this: