Siemens demonstra soluções de Eficiência Energética

image A Siemens pôs a circular pela Europa, desde Março de 2012, um Centro Móvel para demonstrar soluções de  Eficiência Energética. Janeiro é o mês de Portugal, com a presença do centro móvel em Lisboa (dias 14 e 16, junto ao Hotel Altis Belém), na Universidade Nova (Costa da Caparica, dias 17 e 18) e no Porto (nas instalações da Siemens em Perafita, dias 21 a 25 de Janeiro).

"Hoje em dia, a eficiência energética afigura-se como a força motriz mais importante para que indústrias e infra-estruturas possam manter a sua competitividade. Constitui ainda a alavanca decisiva quando se trata de conciliar metas económicas e ecológicas. O centro móvel da Eficiência Energética da Siemens representa o nosso centro de competência móvel, comprova a nossa liderança conscienciosa e bem-sucedida no que se refere à transição energética global, e abre as portas ao diálogo com nossos clientes industriais”- referiu a propósito António Mira, responsável pelo sector Industry da Siemens Portugal.

image O portefólio de equipamentos e soluções da Siemens permite reduzir os custos de energia em até 40%, recorrendo a accionamentos, motores, software e tecnologia de automação. Para aproveitar plenamente os actuais potenciais de poupança energética, a Siemens oferece soluções concretas – desde accionamentos de velocidade fixa a conversores de frequência capazes de recuperação de energia. Por exemplo, a nova geração de comutadores Sirius destaca-se por perdas de energia intrínsecas extremamente baixas e pela reduzida quantidade de calor gerada no armário de comando. Isto permite uma maior densidade de equipamento dentro do armário e a redução das necessidades de arrefecimento. Os motores eléctricos da linha Simotics para a indústria de processamento e de transformação, bem como para o sector de energia, são elementos essenciais do trem de accionamento integrado da Drive Technologies Division da Siemens. Os motores altamente eficientes, com caixas feitas de alumínio ou ferro cinzento da série 1LE1, abrangem toda a gama de aplicações industriais. Por exemplo, quando o espaço disponível for uma condicionante, a solução pode passar por motores de potência aumentada. Na classe de eficiência IE2, tais motores permitem obter potências standard, recorrendo a uma altura de eixo mais baixa. O maior grau de eficiência proporciona poupanças substanciais, e uma redução das emissões de dióxido de carbono – assim, a série 1LE1 reduz os custos de energia, e ainda beneficia o ambiente.
O Sinumerik ‘Ctrl Energia da Siemens exemplifica como máquinas-ferramentas podem ser operadas de forma energeticamente eficiente durante todo o seu ciclo de vida. Embora variando de empresa para empresa, as máquinas-ferramentas são responsáveis por até 68% das necessidades de energia. Em consequência da análise energética individual dos componentes específicos das máquinas-ferramentas, a Siemens conseguiu poupanças significativas no consumo de energia – desde o design da máquina à fase de utilização, e à remodelação parcial ou completa. A simples combinação de teclas "Ctrl" e "E" no painel frontal das máquinas permite que o controlo Sinumerik avalie rapidamente o actual consumo de energia, e faça a gestão da energia durante os períodos de inactividade.

O actual debate sobre a transição energética foca principalmente a procura por fontes de energia alternativa. Porém, a eficiência energética é fundamental neste processo, e é na indústria que se encontra o maior potencial de poupança. De facto, as indústrias e empresas só se manterão competitivas se conseguirem obter ganhos de eficiência.
Considera-se que a indústria é responsável por cerca 30% do consumo mundial de energia e prevê-se que para este sector os custos de energia aumentem em 30% até 2030. Porém, de acordo com vários estudos independentes existe um potencial de poupança de pelo menos 20%. "A nossa estimativa do potencial de poupança global por meio de automação industrial e tecnologias de accionamento vai para 300 terawatts-hora por ano. Isto corresponde à produção anual de 50 centrais alimentadas a carvão (700 MW) ou à emissão de cerca de 90 milhões de toneladas de CO2. Promover a eficiência energética não significa apenas fazer parte da transição energética global, mas significa também ter uma parte dos ganhos de eficiência, cujos resultados se farão sentir dia a dia", defende António Mira.

%d bloggers like this: